22 de mai de 2017

# blog Vanessa Freitas # carne bovina

Carne Bovina: Tipos de cortes de carne e modo de preparos

Antes de casar eu só sabia que carne bovina podia ser comprada em forma de bife, moída e a costela. Nunca procurei ou me interessei em saber sobre os cortes de carnes e como poderia preparar, isso porque carne pra mim era cozida, churrasco ou  frita,😁

Hoje antes de comprar qualquer tipo de carne eu preciso saber antes como vou preparar e se você como eu as vezes fica perdida com os nomes dos cortes de carne vai gostar dessa lista com cortes e maneiras de preparo para cada um.

Primeiramente precisamos nos lembrar que existem variedades de carne como: carne de Primeira e de Segunda, a diferença está principalmente na quantidade de gordura e de nervo. As partes do boi que são mais usadas, como a costela, são mais duras e possuem maior concentração de gordura e também de nervo.

Carne de primeira

A carne de primeira localiza-se em partes menos usadas do boi e são mais macias, próprias para fazer bifes de dar água na boca. Além disso, são recomendadas para fazer carne assada e churrasco. Exemplos: Alcatra,Picanha,Filé mignon,Patinho,Lagarto,Contrafilé,Coxão mole,Maminha,Baby beef.

Carne de segunda

Localizada em partes mais expostas do boi e de maior uso, essas carnes são ideais para preparar ensopados, molhos para acompanhamentos, guisados, tortas e escondidinhos. Exemplos: Acém, Paleta, Fraldinha,Costela,Capa de filé,Coxão duro,Chuleta,Músculo dianteiro.

Existe ainda as chamadas carnes de terceira que possuem uma camada extra do tecido conjuntivo do boi, tem gordura em uma quantidade maior e os nervos encontram-se mais presentes.Essas carnes não costumam ser utilizadas em receitas, mas algumas partes como o pescoço, podem ser usadas para fazer feijoada, exemplos: Músculo,Pescoço,Ponta de agulha.

Tipos de cortes de carne e modo de preparos

Músculo dianteiro: um dos cortes mais saudáveis do boi, é uma carne fibrosa, saborosa, pobre em gordura, mas rica em colágeno. Seu cozimento pede bastante calor e umidade, sendo indicado para sopas, caldos de carne e carne de panela.

Peito: possui uma gordura superficial que impede o ressecamento da carne durante o longo tempo de cozimento exigido. Pode ser usado em caldos, sopas, refogados e cozidos em molho.

Pescoço: sendo a continuação do peito, é uma carne semelhante, que pode ser usada nos mesmos preparos. É um corte que requer cozimento longo e é indicado para ensopados, cozidos e caldos.

Acém: é o maior e mais macio dos cortes dianteiros do boi. É uma carne relativamente magra, que requer bastante calor e umidade durante o cozimento e fica boa em ensopados, cozidos de panela e picadinhos.

Cupim: situada no dorso de bois zebuínos originários da Índia, essa carne é fartamente entremeada de gordura e tem sabor único e acentuado. É um corte praticamente desconhecido nos países da Europa, nos Estados Unidos e nos vizinhos Uruguai e Argentina, onde se criam apenas raças europeias. Pede cozimento lento, preferencialmente enrolado em celofane culinário, para que se mantenham os sucos da carne.

Paleta: da pata dianteira do boi, retiram-se três cortes, o peixinho, a raquete e o miolo de paleta. Menos nobres, são carnes suculentas e saborosas, mas que pedem cozimento lento e longo. São cortes indicados para o preparo de picadinhos e cozidos de panela.

Capa de filé: é uma carne saborosa e com médio grau de dureza. Com grande quantidade de nervos e espessa camada de gordura, exige bastante tempo de cozimento. Indicada para ser usada moída, em ensopados e picadinhos.

Filé de costela: também conhecida como costela de ripa ou apenas costela, é a carne que reveste a parte superior da caixa torácica do boi. Com ossos maiores e mais largos, é um corte saboroso que requer longo cozimento, seja no fogão ou na churrasqueira.

Aba do filé: também conhecida como bife do vazio. Por ser uma carne extremamente enervada, é própria para ser preparada moída.

Ponta de agulha: também conhecida como costela de minga, é a carne que reveste as últimas costelas do boi e pertence à categoria dos cortes com mais colágeno. É melhor aproveitada moída ou na churrasqueira.

Costela:A costela é o corte com maior variedade de sabores, texturas e aromas, dada a característica de suas longas fibras, que exigem um tempo maior de preparo do que a maioria dos cortes tradicionais. É uma carne um pouco mais seca do que a costela ponta de agulha ou costela minga.
É utilizada principalmente para churrasco ou para o preparo de carne cozida com legumes.

Contrafilé: também conhecido como entrecôte e bife chorizo, é uma peça grande de onde se origina a bisteca. É ideal para fazer bifes, medalhões e rosbife, podendo ser grelhado no fogão ou na churrasqueira, em alta temperatura e por pouco tempo. Deve ser servido mal passado ou ao ponto.

Filé mignon: é o mais macio dos cortes bovinos e tem sabor menos acentuado que seus “vizinhos” alcatra e contrafilé. A peça é um músculo liso e comprido, sem nervos, fibras ou gorduras. Ideal para bifes altos como o tournedor e o medalhão, também pode ser empregado em rosbifes, picadinhos, estrogonofe, assados e refogados.

Fraldinha: localizada na lateral do boi, é uma peça pequena, porém muito suculenta e macia, apropriada para a churrasqueira, mas também para cozidos de panela, estrogonofe e espetinhos.

Maminha: corte retirado da alcatra, famoso pela maciez, suculência e sabor suave. É uma carne indicada para assados na churrasqueira e no fogão e cozidos de panela.

Alcatra: junto com filé mignon, o contrafilé e a picanha, essa carne faz parte do quarteto nobre das carnes bovinas. É um corte magro e saboroso, do qual se originam outros cinco cortes: a picanha, a maminha, o miolo de alcatra ou baby beef, o tender steak e o top sirloin.

Miúdos do boi: denominação dada aos seguintes cortes: fígado (o mais popularizado), língua, rim, coração, bucho e pulmão. Podem ser para cozidos, ensopados, fritos ou assados.

Picanha: criado na década de 1970, é um corte caracterizado pelo sabor acentuado e maciez, garantidos pela camada de gordura externa que o reveste. Famosa no churrasco, também se presta ao preparo de cozidos e assados no forno e na panela.

Patinho: carne magra, com fibras macias, ideal para bife a milanesa, escalopes e carne moída, mas pode ser usada também em cozidos, ensopados e picadinhos.

Coxão mole: como o próprio nome diz, faz parte da coxa do boi. Também conhecido como chã de dentro, é o corte constituído das massas musculares da face interna do coxão, separado do patinho, do lagarto e do coxão-duro. Macio, é ideal para assados, ensopados, picadinhos, escalopes, bife a milanesa ou para carne moída.

Lagarto: localizada na parte traseira do boi, é a peça que separa o coxão duro do coxão mole. Com fibras longas e duras e gordura externa, é uma carne saborosa e versátil, mas pouco suculenta, ideal para assados e cozidos, preferencialmente com molho.

Coxão duro: também conhecido como chã de fora, pois fica na face externa do coxão, é um corte com fibras mais duras e necessita de cozimento mais longo. Apropriado para o preparo de carnes recheadas, cozidos de panela e rosbife, ou moído em refogados e molhos.

Rabo: Formado por vários ossos, cobertos de carne e gordura. Varia de tamanho conforme a idade do boi e tem um elevado teor de gordura. Rende ótimos ensopados e cozidos.

Músculo traseiro: é dessa peça que se extrai o ossobuco, famoso corte redondo, com osso e tutano, que deve ser cozido lenta e longamente.

Diferenças entre os preparos:

Grelhar: Grelhar é um método de cozimento por calor seco. “Grelhar” significa assar ou tostar a carne em cima de uma grelha. É uma forma de preparo adequada para cortes magros e macios. Para grelhar a carne, não deixe de preaquecer a grelha. Recomenda-se grelhar bifes com pelo menos 2 cm de altura, pois bifes muito finos podem ficar secos e passar do ponto rapidamente. Pedaços mais grossos podem ser grelhados em temperatura menor do que a utilizada para os mais finos, pois os bifes grossos necessitam de maior tempo de cozimento da parte interna e é preciso evitar que a sua superfície fique torrada demais.

Assar: é um método de preparo por calor seco. Significa preparar a carne dentro do forno em uma travessa ou em uma panela sem tampa, permitindo que o calor seco circule livremente até que o alimento esteja cozido e que a sua parte externa esteja dourada. É o procedimento indicado para cortes de carne grandes (mais de 1,5 kg), mais macios e com um pouco de gordura (que garante a sua maciez).

Refogar: é um método de preparo de carne por calor seco, adequado para carnes macias e com pouca gordura. Refogar significa cozinhar ou dourar a carne rapidamente em uma pequena quantidade de óleo em uma frigideira ou panela. Podem-se refogar cortes como contrafilé, filé mignon, alcatra, fraldinha, coxão mole e hambúrguer.

Fritar: é um método de preparo por calor úmido. Significa cozinhar a carne em óleo ou gordura quente, geralmente em uma frigideira.
Prefira frigideiras de fundo grosso, de alumínio ou de ferro fundido. Evite virar muito a carne na panela e, se usar um garfo para virar os bifes, procure espetar apenas o cantinho para evitar que a carne perca o suco. Podem-se fritar cortes como bifes finos, hambúrguer de carne moída ou bifes de filé mignon, de coxão mole, de patinho, de fraldinha e de contra-filé.

Cozinhar: carnes cozidas são carnes preparadas em calor úmido, ou seja, com água por um período longo. O procedimento é indicado para cortes menos macios, que, normalmente, são mais baratos. Os cozidos e ensopados são excelentes formas de preparo, que acentuam o sabor das carnes, especialmente quando se utiliza um líquido bem temperado (como água e ervas, temperos etc.). O cozimento em panela de pressão torna a carne mais macia e saborosa, além de reduzir o tempo de cocção.

Gostou do post, por favor deixe nos comentários alguma sugestão de preparo que você gosta e usa. Espero ter ajudado.😘

Sites de referências para este post:
https://comidasebebidas.uol.com.br
http://www.pantuccifoodtruck.com.br/
http://www.friboi.com.br/produtos/categorias/
Foto: Pixabay
1 coment�rios via Blogger
coment�rios via Facebook

Um comentário:

  1. Adorei as dicas, estou me preparando para uma nova fase da minha vida e não sei nada de carne, ou qualquer outra coisa relacionada a cozinha. kkkkkkk

    ResponderExcluir

A vida é um eco!
Se você não está gostando do que está recebendo, observe o que está emitindo...

Obrigada pela visita deixe seu link para que eu possa retribuir!
Comentários sempre são bem vindos!
Se gostou do post, por favor, clique e compartilhe.

Follow Us @soratemplates